Bahia tem 81 cidades com risco de epidemia de dengue

Às vésperas do Verão, a Bahia está com 81 das 417 cidades com risco de epidemia de dengue. Os dados que colocam quase 20% dos municípios baianos em risco constam no mais recente Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa), de julho a setembro de 2018, divulgado nesta terça-feira (16) pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Para piorar, a maior parte enfrenta situação de emergência pela seca ou estiagem.

O risco de epidemia acontece porque os 81 municípios possuem índice de infestação predial acima de 4%. De acordo com a classificação do Ministério da Saúde, índices acima de 3,9% são sinal de alerta para problema. Entre 0% a 1%, o índice é considerado tolerável e de 1,1% a 3,8%, há alerta para surto.

Na liderança do ranking aparece a cidade de Jaguarari, no Centro-Norte da Bahia, com índice de 16%. Em seguida, aparecem Jeremoabo (15%), no Nordeste; Senhor do Bonfim (13,1%), no Centro-Norte; Valente (12,5%), no Nordeste; Itabuna (12,3%), no Sul; Sítio do Quinto (11,9%), no Nordeste; São Domingos (11,1%), no Nordeste; Caldeirão Grande (10,8%), no Centro-Norte; e Caetanos (10,3%), no Centro-Sul do estado.

Em comum entre esses municípios há o fato de passarem por longos períodos sem acesso regular à água potável, seja pela estiagem, pela seca ou por problemas no próprio sistema de abastecimento para a localidade.

Sem chuva
O CORREIO cruzou os dados da Sesab com os da Superintendência de Proteção e Defesa Civil da Bahia (Sudec) e eles apontam que, dos 81 municípios com risco de epidemia de dengue na Bahia, há 57 em estado de emergência por causa da estiagem e um por conta da seca – uma estiagem permanente.

Nessas cidades, a falta de água obriga as pessoas a acumular por muito tempo o líquido em reservatórios no chão, sem coberturas. Tudo isso gera uma situação ideal para a proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e febre chikungunya.

Em 2018, só a dengue registrou 798 casos suspeitos nestas 81 cidades. Juntas, elas somam 104 casos suspeitos de chikungunya e outros 113 de zika. Itabuna concentra a maior parte de suspeitas de chikungunya (25) e Riachão do Jacuípe lidera em suspeitas de zika (51). 

Menos casos
Em todo o estado, segundo a Sesab, houve 7.796 casos prováveis de dengue, 3.582 de febre chikungunya e 1.047 de zika em 2018. Em relação a 2017, houve redução de 9,76% para dengue, de 60% para zika e 23% para febre chikungunya.

Comentários
Loading...